Promovido pela FAO e pelo governo do Brasil, o Concurso de Boas Práticas da Alimentação Escolar na América Latina e no Caribe anunciou nesta segunda-feira (24) as iniciativas vencedoras. No primeiro lugar, está um projeto do Paraguai que compra produtos de 70 agricultores familiares para oferecer refeições em centros de ensino. Na avaliação da agência da ONU, o programa mostrou que pequenos produtores conseguem atender à demanda de governos municipais.

O programa Compras da agricultura familiar para alimentação escolar, da cidade de Yhu, garantiu o abastecimento de colégios com alimentos frescos e a um menor custo. Outros avanços foram o uso de mão de obra local e a inclusão dos pequenos produtores no sistema de compras institucionais das autoridades.

O segundo lugar da premiação da FAO ficou com a iniciativa “Cantinas saudáveis e jovens facilitadores em SAN”, implementada em Cantón San Isidro, El Salvador. O projeto capacita alunos para difundir conhecimentos sobre dietas adequadas entre a comunidade escolar. Outra ação do programa é regular a venda de alimentos nas lanchonetes escolares.

Entre os benefícios trazidos pelo projeto, estão a redução de resíduos, como as embalagens plásticas geradas pelo consumo de fast food; a eliminação das fast foods nos colégios participantes; e melhorias nos hábitos alimentares da comunidade escolar.

A experiência “Cultura 3R (reduzir, reutilizar e reciclar)”, de Monte Plata, na República Dominicana, conquistou o terceiro lugar. A estratégia conseguiu recuperar 11,5 toneladas de resíduos tetrapak, além de formar 1,2 mil estudantes em práticas sustentáveis de gestão e reaproveitamento do lixo. Os alunos receberam o título de delegados ambientais.

Outros 120 professores receberam capacitação sobre o tema e 45 centros de ensino foram certificados como Escolas Ambientalmente Sustentáveis. O projeto também treinou 600 estudantes para atuarem como lideranças ambientais.

Fonte: ONU BR