A 6ª edição da Feira Agroecológica e Cultural da Juventude Camponesa aconteceu no centro de Lagoa Seca-PB, município distante 9 km de Campina Grande e atraiu centenas de pessoas a procura de alimentos mais saudáveis, como a dona de casa Maria Tomé de Souto, moradora da cidade que soube da feira pelo esposo e fez questão de comparecer: “Essa é uma iniciativa muito boa, pois é uma oportunidade para que os jovens fiquem na agricultura. Antigamente, só o que a gente via era o jovem ir embora trabalhar fora, então com espaços como esse, podem trabalhar na terra”, comentou.

Este ano, a feira fez um alerta à sociedade acerca da forma antidemocrática com que matérias como o Projeto de Lei Nº 6.299/02, conhecido como o ‘PL do Veneno’, que reduz o controle sobre o uso de agrotóxicos, vem sendo aprovados em comissões da Câmara dos Deputados, à despeito dos enormes riscos à saúde da população. Abrindo a feira, uma encenação mostrou que existe um setor da sociedade ligado ao agronegócio, que está muito bem organizado e representado no Congresso Nacional, na chamada bancada ruralista, que tem os olhos voltados para altos lucros, sem maior preocupação com o meio ambiente e a saúde das pessoas. “Estamos vendo essa bancada ruralista aprovar o PL do veneno e está na hora de debater a democracia, a política, os jovens tem entendimento sobre isso e precisamos fortalecer a agroecologia nesse cenário”, afirmou Ana Paula Cândido, liderança da Comissão de Jovens do Município de Queimadas.

Leia aqui a matéria completa.

Fonte: Brasil de Fato