Lembra do verdureiro? “Olha a banana, o ovo, a batata, o abacaxi e a cebola!!!!” Lá vinha ele…

Quando eu era criança, todos os dias passava o Sr. José com sua carroça cheia de verduras, legumes e frutas fresquinhas para atender  a vizinhança de um  bairro da periferia da capital. Era ele quem, muitas vezes,  plantava e trazia, além de alimentos, muitas notícias dos arredores. Hummm… Lembro do cheiro da “bergamota” (tangerina) que ele descascava para que a criançada pudesse degustar aquele doce e típico sabor do inverno.

Lembra do armazém (mercadinho) de bairro?

Pois minha mãe pedia que eu e meu irmão fôssemos buscar leite, pão de um quarto de quilo, de “semolina, um pouco de nata fresca e “chimia” (doce) de abóbora ou “Mumu” (doce de leite) para aquele imperdível café da tarde, nos mercadinhos perto de casa. Pareciam distante, mas eram logo ali , o armazém do Seu Anselmo e da dona Maria, do Seu Miguel e da dona Catarina ou do seu Pedro e da dona Olívia. Claro que sempre dava para vir uma bala de troco e quando não se tinha dinheiro, era só levar a caderneta para comprar “fiado”. Nunca faltou nada do que se precisava para uma boa refeição.

Os tempos mudaram, os mercadinhos fecharam, o verdureiro sumiu. As velhas casas foram derrubadas e foram surgindo altos prédios de apartamentos de lindos e estruturados condomínios. Onde toda essa gente compra comida? Nos super e hipermercados onde todos vão, mas ninguém se conhece.  Parecem uns “zumbis” empurrando carrinhos de compras com o olhar direcionado para prateleiras e etiquetas de preços.

Faz alguns dias que o Brasil enfrenta uma realidade de paralisação dos caminhoneiros pelas estradas do país. Opa! está faltando diesel, gasolina, remédios e comida! Como assim? Sim, isso mostra a grande dependência da sociedade de um modelo de sistema de provisão e abastecimento centralizador, o que leva a altos custos.

Especialistas que estudam,  refletem e debatem sobe o assunto concordam que se a produção e o consumo fossem regionalizados, talvez, não chegaríamos ao ponto de desabastecimento como agora.

A Rosal publicou um vídeo em junho de  2016, onde a pesquisadora Fabiana Thomé fala sobre o livro “Produção, consumo e abastecimento”. A publicação é um dos resultados de um evento ocorrido na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 2013,  onde especialistas do Brasil e do exterior já debatiam sobre o tema.

Que tal rever esse vídeo?

Aqui você pode assistir as palestras do evento.