A Associação dos Produtores Agroecológicos do Alto São Bartolomeu (Aprospera) inaugurou, no dia sete de abril, a sua sede localizada na divisa entre Distrito Federal e Goiás.  O galpão construído com palha e barro por meio de técnicas de bioconstrução, foi erguido com o apoio da comunidade e servirá como base de reuniões para a associação.

Edson Policena é produtor do assentamento Oziel Alves há seis anos de forma agroecológica no sistema de agrofloresta. Edson é dono de uma das Comunidades que Sustentam a Agricultura (CSA) e acredita que o galpão será importante para a comercialização de seus produtos.

Na entrevista à Sula Sevillis, a produtora rural  Fátima, explica como funciona a Aprospera, que foi criada em 2016. “Hoje nós estamos em 45 associados. Grande parte deles do Assentamento Oziel Alves III, na região do Núcleo Rural Pipiripau, no Núcleo Rural Taquara, e alguns associados em áreas mais distantes, mas dentro da Bacia do Ribeirão Pipiripau”.

Ela falou também sobre o funcionamento das Comunidades que Sustentam a Agricultura (CSA). “Nós da Aprospera temos 9 CSA, das 22 que existem em Brasília. As outras funcionam em órgãos como a Adasa, a Emater-DF, a Funai, escolas, bairros e restaurantes. É um processo muito importante porque a comunidade passa a entender o agricultor, as dificuldades que ele tem. É um novo tempo que se abre a partir do acolhimento dessa nova proposta”, finaliza a agricultora.

FONTE : Ascom Seagri