Bióloga carioca está se destacando em Israel na pesquisa de agricultura em áreas desérticas. A pesquisadora Isabel Portugal, mora há 5 anos lá, onde fez o doutorado no Instituto do Deserto da Universidade Ben Gurion.

A pesquisadora brasileira Isabel Portugal estabeleceu o NegevNet”, um portal para fomentar intercâmbios, convênios e cooperações entre entidades acadêmicas e empresariais para ajudar a transformar desertos em áreas verdes. Para ela, trata-se de uma iniciativa fundamental em um mundo cada vez mais árido.

“O objetivo final da nossa plataforma é criar uma comunidade científica de agricultura sustentável em terras áridas. Hoje, a gente tem pelo menos uns 40% da superfície terrestre como zonas áridas e desertos. E nesses 40%, dois bilhões de pessoas moram”, diz a bióloga.

Para a bióloga, os baixos índices de investimento em tecnologia e de desenvolvimento humano dificultam a situação do Nordeste do Brasil. Justamente por isso, o “NegevNet” já desenvolve parcerias e cooperações com universidades no Nordeste para implementar algumas técnicas que já são usadas em Israel.

Mulheres e agricultura sustentável

Um dos projetos  é o Empoderamento de Mulheres na Agricultura Sustentável em Áreas Áridas, que visa habilitar  mulheres na agricultura familiar. Em novembro e dezembro, pesquisadora brasileira Isabel  Portugal promoverá um curso 12 dias sobre o assunto na região do Seridó, no Rio Grande do Norte.

Isabel está realizando uma campanha de financiamento coletivo, ou crowdfunding, pelo site Gofundme, para arrecadar o valor das passagens aéreas dos pesquisadores que irão participar.

“A ideia é ajudar no fluxo de pesquisas acadêmicas e projetos, principalmente com a cooperação entre o público e o privado”, explica a brasileira. “O objetivo dos pesquisadores é que, junto a academia, junto com a universidade, possam com  a iniciativa privada, desenvolver os projetos para melhorar também a qualidade de vida dessa população no Nordeste”.

A bióloga brasileira também entende que Israel tem muito a aprender com o Brasil em toda parte da ecologia, bioenergias e diversidade de espécies.

Para unir o Negev ao Nordeste, Isabel ajudou a realizar, em 2016, no Rio Grande do Norte, o primeiro Biward, uma conferência sobre Desenvolvimento de Água e Pesquisa Agrícola com grandes especialistas internacionais da área de águas, bioenergia e agricultura em áreas desérticas.

O segundo Biward acontecerá em 2018 em Fortaleza, no Ceará.

“A cooperação Brasil e Israel é muito importante. E como o nosso instituto, que se chama Desert Institute, é um grande centro de pesquisada nossa universidade dentro do deserto e tem o objetivo de otimizar as tecnologias e os recursos que podem ser utilizados nessas áreas, essa cooperação é muito importante. Eu acho sim que é possível melhorar a situação do Nordeste e acredito que, com a cooperação, é muito mais fácil melhorar essa situação”, acredita Isabel.

Fonte: RFI