Trata-se da versão digital do livro Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial – Plantas para o Futuro – Região Centro-Oeste. O livro é o segundo de uma série de cinco que está sendo publicada no âmbito do projeto Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade para a Melhoria da Nutrição e do Bem-estar Humano (Projeto BFN). O primeiro livro da série foi lançado em 2011, sobre a região Sul. Até julho de 2018, o MMA pretende lançar os volumes referentes às regiões Nordeste, Norte e Sudeste.

Riqueza

O diretor de Conservação e Manejo de Espécies do MMA, Ugo Vercillo, destacou que o trabalho cumpre o importante papel de difundir o conhecimento sobre o potencial e a relevância, não só ambiental, mas também social e econômica da biodiversidade das espécies brasileiras. “A publicação traz uma gama de espécies nos seus potenciais usos sociais e econômicos para que a população em geral disfrute da riqueza da biodiversidade brasileira”, afirmou.

O livro reúne 177 espécies nativas da flora regional, organizadas por grupos: alimentícias, aromáticas, forrageiras (gramíneas e leguminosas), medicinais e ornamentais. Ao todo, 144 especialistas de diferentes instituições brasileiras colaboraram com a publicação. “As próprias comunidades tradicionais, ao lado dos pesquisadores, centros de pesquisa, fomento e extensão, são os verdadeiros autores da informação. O MMA compilou e está difundindo esse conhecimento”, ressaltou Ugo Vercillo.

Novas opções

Dentro do projeto Plantas para o Futuro, são identificadas espécies nativas da flora brasileira que podem ser utilizadas como novas opções para a agricultura familiar, diversificando os cultivos e ampliando as oportunidades de investimento pelo setor empresarial – que poderá desenvolver novos produtos e, consequentemente, reduzir a vulnerabilidade do sistema alimentar brasileiro.

O livro apresenta fotos das plantas – flores, frutos e árvores, com descrição detalhada de cada uma e dados sobre família; espécie; nomes populares; características botânicas; distribuição geográfica; habitat; uso econômico atual ou potencial; aspectos ecológicos, agronômicos e silviculturais para o cultivo; propagação; experiências relevantes com a espécie; situação de conservação; e perspectivas e recomendações.

Aqui tem a versão digital para download.

 

Fonte: Brasil Agroecológico